Pan 2007 - Centro de Hipismo

Esportivos

O Complexo Esportivo da Vila Militar de Deodoro foi projetado para os Jogos Pan-Americanos de 2007, considerando, desde sua concepção, como legado, um programa para competições similares – como os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

Buscamos minimizar ao máximo os espaços de dupla-função (ou seja, que tivessem que ser adaptados para o evento, tendo uma utilização posterior diferente), definindo no programa de necessidades, a partir do evento, um conjunto de edificações e equipamentos definitivos que possibilitasse a organização de outras competições oficiais (campeonatos regionais, mundiais, olimpíadas, etc) bem como um uso cotidiano de fácil manutenção (clube de treinamento, escola esportiva, etc). As instalações temporárias, que teriam suas estruturas e equipamentos removidos logo após os Jogos, deveriam ser acopladas a uma rede de infraestrutura de acessos e instalações a serem projetadas em conjunto com o legado definitivo, que dessa forma continuaria preparado para receber outros eventos de porte similar no futuro.

Dessa forma, o Centro Nacional de Tiro Esportivo (CTE), oCentro Nacional de Hipismo (CHI) e a piscina doCentro Nacional de Pentatlo Moderno (CPE) já atendem aos padrões de competições internacionais, e necessitarão de apenas pequenos ajustes e complementos.

O projeto lida com questões complexas de um contexto suburbano único, que abrange em uma mesma região um bairro militar bem ordenado e planejado, uma aglomeração afavelada de alta densidade, uma área industrial em meio a bairros de classe média e uma vasta paisagem natural exuberante. Com suas novas instalações e melhoramento da infraestrutura[1], o novo Complexo Esportivo de Deodoro se tornará sem dúvida um formidável patrimônio de prática de esportes de alta-performance, estimulando o uso pela população local e com o potencial de catalisar uma revitalização geral de uma área suburbana significativa da cidade.

Centro de Hipismo (CHI)

Além de ser bem maior do que as outras áreas, com quase 900.000m2, o CHI possui uma topografia e uma ocupação mais diversificadas. A área é limitada, a oeste, por uma formação de favelas, característica das ocupações existentes no Bairro Magalhães Bastos, com ocupações ribeirinhas, ruas estreitas e casas mal acabadas aglomeradas “ombro a ombro”, aparentemente sem seguir nenhuma regulamentação.

Para a competição de salto de obstáculos e as provas de adestramento temos a Arena Principal, com um campo de areia orientado em seu eixo longitudinal de norte a sul, com a arquibancada permanente locada de frente para o leste.

Essa estrutura em concreto pré-moldado, com uma cobertura metálica em balanço de 20m (com capacidade para abrigar 1.200 pessoas) é quase idêntica à arquibancada das Finais do Tiro ao Prato do CTE, tendo sido complementada com arquibancadas temporárias nas demais laterais durante o evento (para um total de 5.000 pessoas).

Para as provas de Cross Country, foi projetada uma trilha de galope de aproximadamente 5.700,0m, com 40 obstáculos desenhados por um especialista e piso em grama com irrigação e inclinações variadas segundo o percurso, locada dentro da área disponível com topografia acidentada e vegetação mais densa na porção sul das instalações.

Os demais campos de treinamento foram locados em áreas disponíveis entre a Arena Principal e o conjunto dos estábulos, aproveitando os bosques de eucalipto e o desaterro ao redor do afloramento de rocha existente, sendo complementados por uma pista coberta, aproveitando-se a arena existente à oeste das arenas de adestramento.

Finalmente, temos o conjunto de três novos galpões (estábulos) planejados para acomodar 130 cavalos de forma permanente, com mais dois galpões de apoio. Esses estábulos são, na prática, uma espécie de Hotel cinco estrelas para os caríssimos animais: telhas com isolamento térmico, sheds com venezianas para permitir ventilação e iluminação naturais, estrados de borracha nas baias, área interna para exercícios (redondel) e demais áreas de apoio para as equipes e tratadores, incluindo hospital veterinário (instalações temporárias) localizados na parte sudoeste do CHI.

[1] Incluindo o tratamento do córrego Marangá



Projeto Rio Pan 2007 – Complexo Deodoro

Jogos PanAmericanos, Rio 2007

Localização Vila Militar de Deodoro, Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Ano 2005-2007

Autores Bruno Campos (Arquiteto Responsável), Marcelo Fontes e Silvio Todeschi

Equipe Cláudio Parreiras Reis, Luciana Maciel, Lisiane Melo, Leonardo Fávero, Cristiano Monte-Mór, Ana Kawakami, Fabiana Fortes e Antônio Valadares

Status Construído

Instalações Centro de Tiro Esportivo (CTE), Centro de Hipismo (CHI), Centro de Tiro com Arco (CTA), Centro de Hóquei sobre Grama (CHG) e Centro de Pentatlo Moderno (CPE)

Projetos Complementares
Gerenciamento e Coordenação Geral do Projeto Básico Engesolo (Ângela Maurizi)
Overlay John Baker e equipe CO-RIO 2007 (Gustavo Nascimento, Ana Paula Loreto e Izabela Hasek)
Cross Country (percurso e obstáculos) Sue Benson
Estrutura de Concreto Helio Chumbinho (Misa Engenharia)
Estrutura Metálica Lino Nunes de Castro (Globsteel)
Fundações Milton Golombek (Consultrix)
Instalações Técnicas Moshé Gruberger (Enit) Consultoria: Aqualar (Piscina), Forbex (Hóquei sobre Grama) e Eduardo Castro Mello
Combate e Prevenção à Incêndio Alberto Dias (Shaft)
Ar Condicionado e Termoacústica Sandra Botrel (Protherm)
Luminotecnia Marcos Noyori (Godoy Associados)
Impermeabilização Firmino Piancasteli (Isolar)

Promotor Governo Federal (Ministério do Esporte)
Proprietário Exército Brasileiro
Empresa Construtora Construções e Comércio Camargo Corrêa (CCCC)
Créditos fotográficos Fotos Aéreas: Bruno Carvalho / Fotos Profissionais: Kaká Ramalho e Leonardo Finotti / Fotos Amadoras: BCMF Arquitetos
Área aproximada dos terrenos 1.000.000m²
Área aproximada construída 100.000m²