Edifício de uso misto WDT

A região oeste de Belo Horizonte, embora predominantemente residencial, conta com relativa diversidade de usos, abrigando comércios, importantes instituições de saúde, como os Hospitais Galba Veloso e Sarah Kubitschek, além de um dos maiores centros de convenções da América Latina, o Expominas. Possui ainda, grandes equipamentos educacionais, públicos e privados, entre eles o Centro Federal de Educação Técnica -CEFET e o Colégio Salesiano.  

Apesar dessa diversidade, há uma carência de áreas efetivamente públicas, como praças e parques, espaços abertos onde a população possa passear, se reunir, descansar ou contemplar a paisagem com segurança e conforto. Da mesma forma, a oferta local de espaços comerciais e facilidades para o dia-a-dia é escassa e dispersa, forçando grandes deslocamentos para a região central. Diante disso, o empreendimento se coloca mais do que uma simples edificação, mas um equipamento misto, com potencial de uso público e semi-público, que estabeleça relação direta com o contexto imediato  e com a cidade, tornando-se uma nova centralidade no bairro e um marco na paisagem.

Do ponto de vista volumétrico, a proposta é simples e impactante, austera e monumental: um elemento vertical de 70 metros de altura no sentido Norte-Sul é implantado sobre um elemento horizontal no sentido Leste-Oeste, de modo a aproveitar todo o potencial construtivo do terreno.

A torre de 16 pavimentos é dividida em dois volumes separados por um grande vazio de pé-direito duplo suspenso no meio do prédio. Esse pilotis organiza as lajes em dois grupos, como se fossem dois prédios sobrepostos com funções distintas, de modo  a separar os espaços operacionais do empreendedor dos espaços corporativos. Outros vazios menores “perfuram” o volume prismático da torre, criando espaços externos tratados paisagisticamente para receber usos diversos, bem como para contribuir para a conforto térmico e lumínico do edifício.

Sua estrutura é modular, ortogonal e independente da vedação, o que permite  trabalhar o espaço de modo racional e otimizado, além de liberar as fachadas para o fechamento em pele de vidro. Brises verticais envolvem todo a torre, reforçando a sua volumetria como um marco no skyline da cidade e somando-se às ferramentas de controle térmico.

O embasamento tem quatro pavimentos e também se divide em dois usos: garagem e atendimento ao público, tendo a sua cobertura como responsável por conectar o edifício à cidade, servindo como uma grande praça aberta aos usuários e também aos passantes. 



Projeto corporativo
Localização Belo Horizonte – MG
Ano 2016
Status projeto
Autores BCFM Bruno Campos, Marcelo Fontes e Silvio Todeschi

Tags:  Prédios