Boticário V2

No projeto da nova loja d’O Boticário, o desenho do mobiliário, o grafismo da fachada e a atmosfera da loja são fruto da inspiração nos chamados “gabinetes de curiosidades”. Estes ambientes, surgidos durante o Renascimento na Europa e hoje considerados antecessores diretos dos museus, abrigavam elementos dos três ramos da biologia considerados na época – animal, vegetal e mineral – em coleções de anotações, desenhos, pinturas, objetos, fósseis, etc. Para organizar elementos tão distintos, os gabinetes de curiosidades possuíam uma grande variedade de dispositivos “expográficos” a partir de uma modulação ortogonal. A partir do sistema geométrico da organização espacial dos gabinetes de curiosidades, criamos um grid parametrizado e exclusivo, que se aplica em diferentes escalas, técnicas construtivas e materiais em diversos elementos da loja: piso, fachada, mesas e expositores verticais.

Na loja, também a “casa do alquimista”, a apropriação da linguagem dos gabinetes é uma forma de explorar os diversos ambientes de trabalho do boticário. Uma ala de armários perpendiculares à parede,

como em uma biblioteca, refere-se ao local de pesquisa; as mesas centrais, local de trabalho repleto de referências, instrumentos e inspirações; e os expositores altos, característicos das boticas clássicas, como local de guarda e exposição de seus produtos.

As referências para o desenho dos expositores verticais têm origem nos laboratórios e, mais especificamente, nos instrumentos de metal e vidro que fazem parte deste universo. O “suporte universal” é a inspiração para a criação de um sistema de mobiliário expositivo que combina vários tipos de suporte para exposição e guarda de produtos, além de painéis retroiluminados e recursos digitais de visual merchandising. Funil, béquer, balão, tubo de ensaio, erlenmeyer e bureta são elementos utilizados na criação de uma instalação luminosa sobre o mobiliário central.

Para que a marca mãe sobressaia sobre as categorias e submarcas, é preciso que haja unidade na arquitetura, algo que a torne capaz de sintetizar uma atmosfera e projetar uma única voz. Para isso, criamos um campo superior na fachada e nas paredes do interior da loja onde o domínio da cor verde define a soberania da marca mãe sobre categorias e submarcas. Uma vez estabelecido o domínio da marca mãe, arquitetura, visual merchandising e iluminação se articulam para estabelecer condições de setorização, identidade e destaque, respectivamente, para heroes e demais submarcas. Estas categorias são percebidas e reconhecidas logo que se entra na loja, pela organização espacial, pela sinalização e pela identidade dos produtos, e estão organizadas no campo de visão do público, onde predominam o aço-carbono (cor chumbo) e a madeira.

As vitrines são definidas por molduras de madeira inseridas na malha metálica da fachada. Sua construção interna e componível, permitindo sua reorganização sazonal ou para datas especiais. A iluminação será feita de forma a permitir as diversas composições da vitrine, integrada às prateleiras móveis e fixas.



Projeto Loja Boticário

Ano 2016-2017

Autor Bruno Campos, Marcelo Fontes e Silvio Todeschi (BCMF Arquitetos), Fernando Maculan e Mariza Machado Coelho (MACh Arquitetos)

Equipe Marcos Sales, Pablo Gonzalez, Raquel Duarte, Ricardo Lobato

Design Gráfico / Sinalização: Hardy Design

Iluminação: Atiaîa Design

Status Projeto (concorrência)

Tags:  Interiores